Como identificar pintas perigosas?

22/02/2017

Drenagem Linfática - Dra. Elizete Da Cas - Dermatologia clínica, cirúrgica e estética

Em nossa pele, encontramos diversos crescimentos cutâneos de diferentes cores (desde tons laranja até tons escuros), estes crescimentos podem ser protuberantes ou planos e chamamo-os  de “pintas”. É comum encontrá-las na maioria das pessoas. Ao contrário do que muitos pensam, nem toda pinta é cancerosa. Saiba como identificar quando você deve se preocupar!

 

Quando aparecem as pintas?

A grande maioria de nossas pintas aparece na infância e durante os primeiros 30 anos da vid. Na vida adulta, é normal ter entre 10-40 pintas em torno do corpo.

Essas pintas mudam lentamente à medida que os anos se passam, tornando-se protuberantes e/ou mudando de cor. Em outros casos, algumas delas podem não mudar em nada, enquanto também podem desaparecer lentamente ao longo do tempo.

 

Quais são os tipos de pintas?

Congênitas: são aquelas que aparecem no nascimento. Elas ocorrem em cerca de uma em cada 100 pessoas. Essas pintas podem ser mais propensas a se desenvolver em melanoma (câncer) do que as pintas que aparecem após o nascimento. Uma pinta ou sardas devem ser verificadas se elas tem um diâmetro maior do que o de um lápis ou quaisquer características de um melanoma (abaixo).

Displásicas: são pintas maiores do que a média (maior que o diâmetro de um lápis) e de forma irregular. Elas tendem a ter cor desigual e ter os centros castanhos escuros e mais leves, com bordas irregulares. Pessoas com nevos displásicos podem ter mais de 100 pintas e têm uma maior chance de desenvolver melanoma, um tipo grave de câncer de pele.

 

Saiba quando se preocupar:

Algumas de nossas pintas podem ser perigosas ou podem chegar a serem cancerígenas (chamamos estas de melanomas). Sendo assim, é muito importante ficar de olho em nossas pintas e, ao encontrar algo anormal, entrar em contato com nossa clínica.

Entre as três formas em que o câncer de pele aparece, a mais perigosa é a forma do melanoma, já que pode se propagar mais facilmente e chegar a ser muito agressivo. Além disso, esta apresentação do câncer é muito perigosa quando aparecem células encarregadas de dar cor a pele (pintas, sardas, manchas de nascimento).

 

Para identificar o tipo de sua pinta, confira os abaixo algumas dicas:

 

1. A assimetria

Se ao analisar uma pinta ou uma marca de nascimento você encontrar uma forma assimétrica em que esta se divide em duas metades, mas não são iguais, esta pinta pode representar um possível melanoma. Por quê? A maioria das pintas apresenta uma forma de esfera ou de círculo e, em geral, portanto, pode ser possível que uma pinta ou marca que não tenha esta forma seja perigosa.

2. O tamanho

Geralmente, as pintas podem ter até 1 cm de diâmetro. Se uma das suas pintas apresenta um tamanho maior ou se você notar que ela está crescendo, fique atento às mudanças ou vá ao dermatologista.

3. Uma pinta inesperada: cuidado!

Se na sua pele aparecer de súbito uma pinta e ela ficar escura, fique atento e visite o dermatologista. É possível que você tenha índice de malignidade.

4. A cor: tons homogêneos.

As pintas normais, na maioria dos casos, apresentam uma coloração homogênea, igual em toda a sua área. Se você observar uma pinta com várias cores, procure o médico especialista. Possivelmente trata-se de uma pinta cancerígena.

5. Uma pinta com sintomas: inflamação, dor, sangramento ou picadas.

Neste caso, preste atenção às mudanças que acontecem. Sem dúvida faça uma visita de imediato a um dermatologista, pois estes sinais podem indicar uma disfunção mais séria (maligna).

6. As bordas: não definidas ou irregulares.

Se a pinta não mostra com clareza seu início ou seu fim, ou se as bordas da pinta não estão bem definidas, também preste atenção. Pode se tratar de uma pinta perigosa, pois as pintas benignas estão bem definidas.

 

Para prevenir, é muito importante usar filtro solar de fator de proteção 15 ou mais e que ele seja reaplicado a cada 2 horas. O ideal é aplicar o protetor na pele 30 minutos antes da exposição solar. Além disso, evitar o sol entre 10:00 e 16:00 horas.

Importância do autoexame

O autoexame é método para você examinar regiões do corpo de difícil visualização. É recomendado que se faça o autoexame a cada 3 meses.

Com a ajuda de um espelho de mão e um outro de parede você pode examinar o corpo todo, ou pedir a ajuda de um amigo ou parente para auxiliá-lo.

De todo forma o auto exame vai auxiliar a visualização de lesões, porém é fundamental que pelo menos uma vez ao ano suas pintas sejam avaliadas por um dermatologista.

Como identificar pintas perigosas?