Melasma: Saiba como previnir

10/06/2019

Drenagem Linfática - Dra. Elizete Da Cas - Dermatologia clínica, cirúrgica e estética

O melasma é caracterizado por manchas em tons de marrom que aparecem no rosto - com maior frequência - mas também podem surgir em áreas como colo e braços. O quadro tem grande influência da exposição ao calor e ao sol em excesso, e pode surgir no período de gestação ou devido ao uso de anticoncepcionais.

Preparamos um post em nosso blog para para esclarecer as melhores opções de tratamento e, principalmente, como é possível evitar as marcas. Confira!

Não há uma única causa definida para o melasma, mas sabe-se que ele está relacionado principalmente à exposição solar, mas também ao uso de anticoncepcionais e algumas outras medicações, fatores hormonais, predisposição genética, algumas doenças (ex: hepatopatias) e à gravidez. A maior parte das pessoas com melasma possui um histórico de exposição diária ou intermitente ao sol, embora também suspeita-se que o calor seja um fator subjacente. É mais comum em mulheres, aproximadamente 90% dos casos, e àquelas com tons de pele mais escuro tem mais probabilidade de apresentar a doença.

 

São diversos os fatores que podem desencadear o surgimento do melasma, dentre eles:

- Exposição ao sol, pois a luz ultravioleta estimula os melanócitos (que produzem os pigmentos de cor da pele, a melanina). Apenas uma pequena quantidade de exposição solar pode fazer com que o melasma retorne, mesmo em uma pessoa que já o tratou anteriormente, e essa é uma das principais razões de porque os casos aumentam no verão.
- Mudanças hormonais causadas pela gravidez, uso de pílulas anticoncepcionais ou repositores hormonais, além das endocrinopatias, como as doenças da tireóide
- Produtos cosméticos para o tratamento da pele que acabam por irritá-la podem piorar os episódios de melasma.

 

Tipos:


Melasma epidérmico: Quando há depósito aumentado de pigmento através da epiderme (camada mais superficial da pele).
Melasma dérmico: Caracterizado pelo depósito de melanina ao redor dos vasos superficiais e profundos.
Misto: Quando se tem excesso de pigmento na epiderme em certas áreas e na derme em outras regiões.

Ainda há três tipos comuns de padrão facial de melasma, o malar (maçãs do rosto), centrofacial (testa, bochechas, acima do lábio, nariz e queixo) e mandibular, conforme a região em que aparece.

São vários e diversos os fatores que aumentam o risco da pessoa contrair melasma, entre eles:

- Ser mulher, pois elas representam aproximadamente 90% do total dos casos de melasma conhecidos
- Ter um tom de pele mais escuro, como as africanas e afrodescendentes, indianas, hispânicas e asiáticas, pois são mais propensas a contrair melasma por possuírem mais melanócitos ativos para a produção de melanina (pigmentação da pele)
- Estar gestante também contribui devido às alterações hormonais
- Algum familiar direto já ter tido melasma
- Altas temperaturas, exposição ao sol e período de verão.

Saiba como prevenir o surgimento do melasma na pele:

- Use filtro solar todos os dias e lembre da reaplicação;
- Evite a exposição excessiva ao sol e ao calor;
- Resfrie a pele sempre que necessário: a aplicação da água termal é uma ótima alternativa;
- Utilize proteções físicas, como chapéu e guarda-sol;

 

Os tratamentos variam, mas sempre compreendem orientações de proteção contra raios ultravioleta e à luz visível, que deve ser redobrada quando se inicia o tratamento. As terapias disponíveis são o uso de medicamentos tópicos e procedimentos para o clareamento. Dentre os procedimentos mais realizados estão os peelings e aplicações de luzes ou lasers. É importante salientar, entretanto, que o tratamento do melasma sempre prevê um conjunto de medidas para clarear, estabilizar e impedir que o pigmento volte. A seguir alguns dos procedimentos indicados:  

Fotoproteção

O ponto de partida para que o tratamento tenha efeito é a proteção contra os raios solares. As pessoas acometidas por melasma devem aplicar um filtro solar potente, físico e químico, com FPS alto nas regiões afetadas. Em especial, procurar por filtros que tenham proteções contra os raios ultravioleta A (UVA) e ultravioleta B (UVB). O conceito atual do tratamento de melasma considera que o uso de filtros ajuda a estabilizar os benefícios obtidos com o conjunto de medidas descritas aqui.

Cremes

Para ajudar na remoção das manchas, os mais usados são à base de hidroquinona, ácido glicólico, ácido retinóico e ácido azeláico. Os resultados demoram cerca de dois meses para começarem a aparecer. Não é um método que funciona com todos os pacientes. Mesmo com resultados rápidos, o tempo necessário para estabilizar a condição e impedir que mínimas exposições façam retornar o pigmento pode ser de muitos meses ou anos. Assim, o conceito principal é que pacientes com esta condição necessitam tratamento e fotoproteção constante. Outros ativos muito utilizados para o tratamento do melasma são: arbutin, ácido kójico, ácido fítico, ácido tranexâmico e ácido dióico.

Peelings

Pode clarear a pele de forma gradual e até mais rapidamente do que os cremes. Existem diversos tipos de peelings, alguns mais superficiais (e mais seguros) e outros que atingem camadas mais profundas da pele. O dermatologista pode auxiliar na escolha do método mais adequado para cada caso.  

Laser e Luz Intensa Pulsada

Há algumas formas de energia luminosa que podem ajudar no conjunto de medidas para clarear o melasma. Esta modalidade de tratamento deve ser feita com cuidado para não gerar mais pigmentação, motivo pelo qual deve ser realizada por um profissional habituado às fontes de energia luminosa, como o dermatologista.  

 

Entre em contato conosco! Iremos te indicar os melhores tipo de produtos para a sua pele e, ainda, o tratamento ideal para o seu caso!

Melasma: Saiba como previnir